Modelo do sistema de transporte público está falido, afirma Hélio Ferreira

O presidente da Comissão de Transportes e Serviços da Câmara, vereador Helio Ferreira (PCdoB), demonstrou preocupação com o sistema de transporte público da cidade após o Consórcio que opera o serviço dar entrada em processo, na 4a. Vara da Fazenda Pública, pedindo extinção  do contrato. 

De acordo com o parlamentar, a licitação por meio de outorga onerosa, quando as empresas pagam um valor pré-determinado pela prefeitura, está falido e tem sido denunciado por ele há muito tempo. "Desde o início desta licitação que venho denunciando publicamente que este modelo não daria certo. Agora chegamos a uma situação que beira o caos, com empresários devolvendo as linhas para a prefeitura. Isso poderá causar grandes prejuízos porque vai abrir espaço para o transporte clandestino, que precariza o serviço e os direitos dos trabalhadores."

O contrato assinado em 2014 entre a prefeitura e as três empresas que compõem o consórcio (Plataforma, Jaguaribe e Salvador Norte) custou aos empresários  cerca de 180 milhões para gerir o serviço por 25 anos.

Ainda segundo Helio, que defende um modelo em que priorize a redução da tarifa, a gestão municipal precisa resolver a situação. "O prefeito precisa encontrar uma saída porque a cidade e os trabalhadores não podem pagar o preço das irresponsabilidades que faliram o sistema.", completou.